Páginas

30 de abril de 2010

Comer ou não comer: eis a questão!

Em 2006/2007 costumava escrever e enviar por email pequenos textos que intitulava de "Temperando". A ideia era produzir, de forma "bem temperada", textos sobre assuntos do cotidiano e compartilhar com amigos e colegas. Reencontrei alguns destes textos e vou postar eles aqui. Espero que gostem!

Original de Dezembro 2006

A cena é conhecida, uma família, com externa aparência de felicidade, comendo sanduíches, batatas-fritas e refrigerantes em clima de muita festa, e ao fundo uma locução divulga as benesses oferecidas por uma grande multinacional de fast-food. A cena é notória de todos os shoppings, praças de alimentação lotadas de consumidores insaciáveis por comer…

Por outro lado, estamos estarrecidos com a morte da modelo brasileira Ana Carolina Reston, por complicações decorrentes de uma anorexia nervosa. A história da brasileira chamou atenção do mundo inteiro, sendo destaque no jornal britânico The Independent, no espanhol El País e no norte-americano The New York Post. A modela morreu por não comer…

Afinal, comer ou não comer?

Publicitários de todos os cantos do mundo passam horas a criar campanhas comerciais que façam as pessoas comerem mais, consumirem mais, enfim, gastar muito mais. Do outro lado, é feito uma exaltação aos corpos sarados e livres das “gordurinhas” por parte da mídia, dos programas de auditórios e das próprias agências de modelos.

Somos instigados a comer, contudo somos recriminados quando o fazemos. Claro que a solução para esta ingonita está na moderação, em nos alimentarmos de maneira saudável e dentro dos limites do nosso corpo e das nossas necessidades. Contudo, não somos estimulados no nosso dia a dia a termos limites, ou a sermos moderados. Somos sim, servos da vaidade, do consumismo e da cobiça.

Em agosto esta coluna alertava os perigos da falta de limites (Temperando nº 06, “Escravos da Vaidade”), desta vez seja pela sobra ou falta (de comida) os limites humanos se expõem e ficam escancarados a nossa intolerância. Necessitamos sermos alertados dos perigos do excesso de calorias e gordura para meditamos sobre o assunto. E infelizmente, precisamos ver funerais para nos alertar sobre os limites da nossa busca pelo poder e pelo glamour.

O tempo não perdoa e é preciso decidir o que mais importa: o prazer imediato oferecida pela gula e a vaidade, ou, felicidade duradoura oferecida pelo respeito aos nossos limites e pela harmonia corpo, mente e espírito. Está em nossas mãos eis a questão.

28 de abril de 2010

De Bobo, só o branco dos olhos...

Em 2006/2007 costumava escrever e enviar por email pequenos textos que intitulava de "Temperando". A ideia era produzir, de forma "bem temperada", textos sobre assuntos do cotidiano e compartilhar com amigos e colegas. Reencontrei alguns destes textos e vou postar eles aqui. Espero que gostem!

Original de Novembro 2006

É muito engraçado a relatividade dos fatos na nossa sociedade. Situações, fatos e pessoas podem ter julgamentos diferentes de acordo com os interesses em jogo. E ai entra a nossa midia e os ditos formadores de opinião prontos a nos dizer o que fazer em cada caso, dependendendo do caso, é claro!

Um exemplo, é a condenação de Saddam Hussein no último domingo por um tribunal de Bagdá. A condenação se refere ao massacre de 148 pessoas na cidade xiíta de Dujail, em 1982, após a guarda de Saddam sufocar uma tentativa para assassiná-lo. Muitos chefes de Estado e lideres mundiais consideraram a condenação uma manifestação do cumprimento da lei no Iraque e uma prova da evolução democrática deste país.

Por outro lado, Bush Junior, na sua campanha contra os terrorismo e na libertação dos povos oprimidos tem na suas costas a morte de milhares de civis iraquianos e afegãos. Em um dos seus discursos “pré-moldados” ele afirma que não vai deixar, custe o que custar, os inimigos da democracia americana destruir o que a duras penas foi construída pelo povo da américa. Vou chorar!

Quer dizer, Junior pode exterminar famílias e ainda ser considerado um heróis da democracia mundial!? Que mundo Justo!

De igual forma vejo as grandes revistas semanais se referirem ao regime cubano como um desrespeito aos direitos humanos e a democracia. Fidel, seu lider, é considerado um ditador e tirano. Contudo o regime “comunista” chinês é aclamado como um exemplo de desenvolvimento e seus chefes de Estado são aclamados em jornais e revistas como lideres democráticos.

Para como isso! De bobo eu só tenho o branco do olho…

Sou favorável ao julgamento de Saddam, o considero o tirano, tal qual Fidel Castro. Não vejo com bons olhos os rumos seguidos por Cuba. E digo isso por acreditar que os direitos humanos e a democracia devam ser respeitados acima de qualquer interesse pessoal ou mesquinho. Portanto, por esta lógica simples e básica é que não aceito a omissão quantos aos atos tirânicos de Bush e principalmente, a conivência de muitos jornalistas, acadêmicos e “formadores de opinião” com o Regime Autoritário Chinês, que se desenvolve as custas da exploração de mão de obra barata e oprimida, da coersão dos direitos civis e da restrição a liberdade de imprensa.

Entendo que a China é um ENORME mercado consumidor, e portanto, agradável aos olhos da maquina capitalista. Entendo que com a sua supremacia militar e econômica os EUA se portam como “orientadores da verdade mundial”. Entendo, mas não aceito e não me faço de cego! Aliás, quem deveria ser cega é a justiça, não é!

As leis, regras e convenções deveriam ser delegadas a todos igualmente. Se um tirano assassina 148 pessoas na defesa do seu regime autoritário deve ser preso e condenado, porque a mesma regra não se aplica a um “propenso tirano texano” que assassina milhares de civis na defesa dos seus interesses políticos e pessoais?

Pense “os males de que padece o ser humano, em seu maior número, vêm dele mesmo.”(Plínio)

26 de abril de 2010

Para onde você quer ir?

Em 2006/2007 costumava escrever e enviar por email pequenos textos que intitulava de "Temperando". A ideia era produzir, de forma "bem temperada", textos sobre assuntos do cotidiano e compartilhar com amigos e colegas. Reencontrei alguns destes textos e vou postar eles aqui. Espero que gostem!

Original de Fevereiro de 2007

O ser humano sofre de uma mal muito perigoso “A Sindrome do Curto Prazo”. Seus principais sintomas são ansiedade por resultados imediatos e um desprezo por planejamentos que dure mais que uma quinzena. As pessoas acometidas por esta doença não conseguem visionar o futuro e só enxergam o aqui e agora. O futuro para elas nem existe. Talvez devêssemos solicitar do Ministério da Saúde a inclusão desta “síndrome” na Codificação Internacional de Doenças, o famoso CID.

Brincadeiras a parte, tenho visto cada vez mais as pessoas juntar, separar, casar, serem demitidas, pedir demisão, desitir, continuar, enfim, agirem olhando o que ganharão naquele instante. Vivemos dias em que as palavras médio-prazo e longo-prazo são geradoras de calafrios e arrepios.E isso é um perigo!

Quando penso nessa situação, sempre me recordo de um diálogo bastante interessante entre Alice e o Gato, num dos capítulos de Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll:

- O senhor poderia me dizer qual caminho tomar para sair daqui? Interoga Alice
- isso depende muito de para onde você quer ir. Respondeu o Gato
- Não me importo muito para onde… Retrucou Alice
- Então não importa o caminho que você escolha. Disse o gato

Perceba a sabedoria felina. Se não conhecemos bem nossos planos, nossas metas, nossos objetivos, qualquer atitude que tomemos será aparentemente a melhor. Aliás, isso quando temos um plano, metas ou objetivos. Quando são claros os caminhos que temos que tomar na vida, os objetivos que temos para nossa profissão e as metas que almejamos, as decisões que tomamos são sempre consistentes, ou pelo menos mais seguras. Escolhemos melhor os caminhos quando sabemos o que queremos.

Erros e decepções não serão excluídas da vida. Contudo quando agirmos por convicção e não, exclusivamente, por emoção, estamos mais preparados a esses percalços.

Quantas pessoas largam família, emprego ou amigos simplesmente pelo prazer imediato que aquela decisão lhes trouxe, ou pela aparente vantagem que lhes trará. Podemos, e quando necessário devemos, largar algumas coisas, contudo esta decisão deve ser conivente com um objetivo, com metas, enfim, com um projeto de vida.

Precisamos saber onde queremos chegar no trabalho, na vida, nas nossas relações. Você quer uma promoção, construa seu projeto profissional e siga-o. Almeja um emprego melhor, então saiba que só conseguirá achar o melhor caminho para tal, se estiver com seus objetivos profissionais bem definidos.

Andar pela vida sem ao menos saber para onde quer ir e porque, é se deixar levar pela maré. E a maré nos leva para onde ela quer e não para onde deveríamos ir. O caminho mais fácil nem sempre é o melhor. Pensemos nisso e para onde queremos ir.

24 de abril de 2010

Escravos da Vaidade

Em 2006/2007 costumava escrever e enviar por email pequenos textos que intitulava de "Temperando". A ideia era produzir, de forma "bem temperada", textos sobre assuntos do cotidiano e compartilhar com amigos e colegas. Reencontrei alguns destes textos e vou postar eles aqui. Espero que gostem!

Original de Agosto 2006

Os noticiários tupiniquins declaram: “Brasileira morre em lipoaspiração nos EUA”. Um falso médico, uma falsa clínica instalada num porão de uma casa, ao que tudo indica foi utilizada anestesia para animais e uma pergunta que não quer calar: O que leva uma garota de 23 anos a arriscar tanto, por uma lipoaspiração?

Não quero discutir a ingenuidade desta moça, ou a irresponsabilidade do falso médico. Gostaria de entender,tentar pelo menos, o sentimento que rodeava o coração desta moça, assim como milhares de outras capazes de cometer atos insanos na busca por um rosto melhor, um abdômen mais sarado e quem sabe um bumbum mais cobiçado. A vaidade se torna mais importante que a própria vida?

A vaidade persegue o ser humano desde os tempos mais remotos. Salomão, no livro de Eclesiastes declara: “Vaidade, tudo é vaidade”. No filme “Advogado do Diabo”, a figura diabólica interpretada brilhantemente por Al Pacino confessa que a vaidade é o pecado que ele mais gosta nos homens e é através dela que ele consegue destruir a vida do protagonista, interpretado por Keanu Reeves.

E assim caminha a humanidade…

Nos tornamos servos da vaidade. Nos sujeitamos as minúcias dela. Nos submetemos a seus desejos. Extrapolamos o limite da saúde, estamos indo além do possuir uma imagem melhor, buscando uma INALCANÇÁVEL perfeição estética, apregoada por meios de comunicação e publicitários.

Pior, estamos acreditando que a nossa felicidade esta diretamente relacionada com a nossa vaidade! Quanta mentira!

Conta a mitologia a história de Narciso. Ele era filho do deus-rio Céfiso e da ninfa Liríope. Dotado de grande beleza, sua mãe preocupada com o destino de Narciso, decidiu consultar um adivinho. Este respondeu-lhe que “Narciso teria uma vida longa, mas morreria no dia em que se visse” (seu reflexo).

Certa ocasião, durante uma caçada, Narciso sentiu muita sede e resolveu beber água. Ficou maravilhado com o reflexo da sua própria imagem no lago e apaixonou-se pelo belíssimo ser que visualizou. Conta o mito que ele acabou morrendo ali mesmo, sem conseguir mover-se ou desviar o olhar daquele ser que o encantou.

Narciso era um servo da vaidade, escravo da sua beleza e assim morreu. A brasileira morta nos EUA servia a vaidade e escrava dela morreu também. A vaidade deve esta a nosso serviço, a serviço da nossa felicidade. A vaidade é peculiar ao ser humano. Contudo morrer por ela é ir longe demais…

22 de abril de 2010

Alerta aos Homens

Em 2006/2007 costumava escrever e enviar por email pequenos textos que intitulava de "Temperando". A ideia era produzir, de forma "bem temperada", textos sobre assuntos do cotidiano e compartilhar com amigos e colegas. Reencontrei alguns destes textos e vou postar eles aqui. Espero que gostem!

Original de Agosto 2006

O presidente Lula sancionou a Lei de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher, entre os pontos a lei aumenta para três anos, a pena máxima, de detenção dos agressores. A nova Lei prevê ainda medidas inéditas de proteção para a mulher que está em situação de violência e corre risco de vida. As medidas, que variam conforme cada caso deve ser determinado pelo juiz em até 48 horas e vão desde a saída do agressor do domicílio e a proibição de sua aproximação física junto à mulher agredida e filhos, até o direito de a mulher reaver seus bens e cancelar procurações conferidas ao agressor.

É evidente que a lei não irá mudar as mentes machistas, o pensamento paternalista e as varias práticas absurdas de homens por este Brasil varonil. Milhares de mulheres continuarão a ter sua palavra sendo posta em prova diante de juízes, advogados ou até mesmo seus vizinhos. Afinal de contas, será mesma que ela não mereceu estes tapas?! Um absurdo!

Cada homem desta nossa sociedade verde-amarela, como em qualquer outra no planeta, provém de uma mulher e teve ao longo de sua vida, algumas mulheres de forma direta ou indireta ajudando-os a desenvolver seu intelecto, a cuidar de sua saúde, a zelar pelo seu bem-estar e segurança e a preparar-los para a vida que se apresenta adiante.

Esses mesmos marmanjos crescem ouvindo, vendo e escutando toda a forma de desrespeito a mulher que infelizmente para alguns se tornam mais concretos que a própria convivência com as suas mães, professoras, médicas, enfermeiras ou amigas. O resultado não poderia ser pior que a agressão e a violência.

Estimam-se, segundo dados da Fundação Perseu Abramo, que a ocorrência de violência doméstica e familiar é de mais de dois milhões de casos por ano. Só no ano de 2005, houve cerca de 55 mil registros de ocorrências nas Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (DEAM’s) das capitais brasileiras. Considerando as ocorrências de algumas cidades do interior, esse número salta para 160.824. Quanta covardia!

Chega dessa história de “maridos violentos” ou “homens agressivos”, com a lei, agressores e espancadores passam a ser tipificados com lhes é devido – CRIMINOSOS. Um crime, um absurdo, uma covardia, uma monstruosidade. Com a lei o Brasil passa a ser o 18º da América latina a contar com uma lei específica para os casos de violência doméstica e familiar contra a mulher. E assim começamos a destruir uma estrutura arcaica e bandida que trata as mulheres como objetos, seres inanimados e sem personalidade.


Quando um carro não funciona, damos um chute nele. O controle remoto não responde nossos comandos, o arremessamos ao chão. Contudo mulheres não são objetos, não são coisas. Não podem ser chutadas, arremessadas ao chão ou pisadas. Espero que pela força da justiça os homens entendam o que há muito tempo nos é ensinado – Em mulher não se bate nem com uma rosa!

19 de abril de 2010

Palavras bem temperadas...

Em 2007 costumava escrever e enviar por email pequenos textos que intitulava de "Temperando". A ideia era produzir, de forma "bem temperada", textos sobre assuntos do cotidiano e compartilhar com amigos e colegas.

Este fim de semana reencontrei alguns destes textos e vou postar a partir de hoje eles aqui. Espero que gostem!


Dois Pesos, duas medidas
original de JANEIRO/2007

No período em que era prefeito da cidade de Goiás Velho (GO), Boadyr Veloso, foi condenado a dez anos e oito meses de prisão pelo estupro de sete crianças menores de 14 anos, em fevereiro do mesmo ano, o Tribunal de Justiça de Goiás, o tinha inocentado sob alegação de que as vítimas haviam se casado.

O Código Penal prevê que, no caso de a vitima se casar e, a partir daí, não requerer o prosseguimento do inquérito policial ou da ação penal no prazo de 60 dias, o estuprador não pode ser punido. A legislação, de 1940, partia do principio de que o casamento " lavava a honra" das mulheres. Na eleição, Boadyr ganhou a eleição em Goiás com um slogan " Boadyr, tarado por Goiás". Engraçado o rapaz!

Um caso emblemático, não da impunidade, ou da injustiça, mas do machismo reinante na nossa sociedade. Não quero entrar na discussão sobre a inocência ou não do Boadyr, mas gostaria de por pimenta no feijão refletir sobre a visão machista reinante no nosso meio.

Será que nossa sociedade evolui da década de 40? Será que ainda creditamos aos homens a guarda das virtudes? Como encaramos a liberdade sexual feminina? Direito ou desvio de conduta?

Pense comigo. Quantas vezes, assistimos a casos de estupro na TV e no fundo questionamos a inocência das mulheres envolvidas! Ou um caso mais comum, quantas mulheres são tachadas de meretrizes quando traem seus namorados, noivos, maridos ou companheiros, enquanto a sociedade aceita com uma hipócrita normalidade a traição masculina!

Que sociedade é a nossa que permite um candidato a prefeito utilizar um slogan, que fazia alusão a fama adquirida pelos casos de estupro? Como os homens se comportam quando são "convidados" diretamente pelas mulheres a fazerem sexo? Com certeza, naturalmente é que não é! Mulheres pensando em sexo, ou que afirmam abertamente gostarem de fazer sexo são classificadas como "vagabundas", para não usar termos mais baixos aqui.

Acredito que os valores enraizados por séculos não serão quebrados em anos. Contudo, nos escondemos atrás de uma "virtual evolução humana" para não encararmos os fatos - Uma medida para os homens, outra para as mulheres. Portanto, enquanto fomos dirigidos por valores retrógrados e machistas não estaremos aptos a entender ou discutir conceitos como igualdade ou justiça.

Homens e mulheres merecem o mesmo patamar e direito, independente se as discussões são sobre salários, direitos políticos, sobre a quantidade de sal na comida ou sobre sexualidade.

Se cantamos igualdade que seja para todos, ou não?

13 de abril de 2010

Liberdade de expressão... Pense nisso!

Antes gostaria de me desculpar com todos, estou tendo dificuldades em atualizar o site com a mesma frequência que o fazia. Assim conto com a compreensão dos colegas e espero até julho retornar a "normalidade".

Abaixo uma excelente reflexão para todos.


Philip Pullman sobre a Liberdade de Expressão



Philip Pullman, mais conhecido como autor da série de literatura que inclui “A Bússola de Ouro“, acaba de lançar um novo romance de ficção em que narra “a maior história de todos os tempos” como se o Jesus que conhecemos fosse duas pessoas: “Jesus”, um bom homem comum, e “Cristo”, o salafrário do título. A história faz referência à idéia de que a figura religiosa sobre a qual se construiu o cristianismo teria sido em grande parte inventada por Paulo, em contraste com o personagem histórico Jesus e sua filosofia original.

8 de abril de 2010

Balanço da CONAE

Estudante de 11 anos foi o participante mais novo da Conae

Em meio a mais de 3 mil participantes da Conferência Nacional de Educação (Conae), um deles chamou atenção: Breno Figueiredo, de apenas 11 anos e morador da cidade de Iguatu (CE), a 300 quilômetros e Fortaleza. Aluno da Escola Municipal João Paulino de Araújo, ele foi um dos representes do segmento estudantil na Conferência.

Para chegar até a etapa nacional, Breno participou da conferência municipal e de etapa estadual, quando foi um dos quatro estudantes selecionados para vir a Brasília. Aluno do 6º ano do ensino fundamental, ele diz que é uma grande responsabilidade representar o Ceará no encontro.

Breno avalia que a educação "está precisando melhorar", mas, segundo ele, sua escola tem uma boa estrutura e professores bem capacitados. "Eu acho que a educação é um dos maiores meios para o país evoluir, e decidir os rumos do Brasil".

O estudante admite que não é comum crianças da idade dele se interessarem por política. "Eu deixava de ir brincar ou jogar videogame para ler um livro, coisa que uma criança não faz mais hoje em dia". Breno acredita que o gosto pelos estudos, especialmente por ciências, vem dos pais que desde que ele era pequeno o incentivavam a ler contando histórias antes de dormir. "Eles já estavam planejando meu futuro", diz. A família tem uma pequena empresa de serigrafia.

Breno espera ser biólogo ou veterinário quando crescer. A proposta que o estudante trouxe a conferência foi que alunos de escolas públicas tenham mais acesso a bolsas de estudo.
(fonte: Terra)


Educação quer 7% do PIB em 2011

Aprovada sem emendas durante a Conferência Nacional de Educação (Conae), a meta de ampliação dos investimentos nacionais no setor será um dos principais pontos a compor o próximo Plano Nacional de Educação (PNE), programa de Estado destinado a pautar as políticas públicas para os próximos dez anos.

O pleito de professores, profissionais, especialistas e representantes do poder público é que os investimentos para o segmento alcancem o equivalente a 7% do PIB já no próximo ano para serem gradualmente ampliados para 10% do total das riquezas do país até 2014.

"Hoje o Brasil aplica 4,7% do PIB em educação. O ideal, frente às necessidades que possui, seria 10%", explica Daniel Cara, coordenador geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, citando a série de encontros estaduais e municipais que foram realizados ao longo do último ano para estabelecer as principais discussões na formulação do novo PNE. "Como sabemos que este seria um aumento substancial, estabelecemos a gradação, passando antes pelos 7% a partir do ano que vem", explicou.

O primeiro plano para educação de abrangência nacional foi estabelecido em 2000, com metas como a universalização do ensino básico, a melhoria na qualidade do sistema e a própria intenção de se chegar a 7% do PIB em investimentos - algumas das quais não alcançadas. Válido por dez anos, o PNE deve ganhar sua segunda edição até o final deste ano, com uma nova série de objetivos até 2020.
(fonte:Brasil Econômico)


Ensino a distância ganha força e oferece formação a professor

O Plano Nacional de Formação de Professores beneficiará 332 mil docentes em exercício na rede pública de ensino, até 2011. Dessas vagas, distribuídas em 90 mil instituições públicas de ensino superior, 46% são a distância e 54%, presenciais. Esses dados foram apresentados pelo secretário de Educação a Distância do MEC, Carlos Eduardo Bielschowsky, durante o colóquio Formação dos Professores da Educação da Educação a Distância, realizado nesta quarta-feira, 30, na Conferência Nacional de Educação (Conae), que acontece em Brasília.

“Estamos promovendo uma mudança significativa no quadro da educação brasileira, dando a esses professores uma oportunidade de formação”, observou o secretário.

Bielschowsky salientou ainda que o ensino a distância enfrentou problemas de oferta e hoje vem passando por um intenso processo de supervisão. “Temos agora um processo mais rigoroso de credenciamento. Ao todo, 38 instituições que oferecem essa modalidade de ensino estão sob supervisão, o que corresponde a 81% do corpo docente na modalidade, composta por quase 800 mil estudantes”, disse.

A Universidade Aberta do Brasil (UAB) foi apontada por Bielschowsky como importante instrumento para o acesso ao ensino público de qualidade. Atualmente, ela conta com 170 mil estudantes de graduação e 80 mil de especialização.

Participaram do colóquio a coordenadora geral de formação de professores da Secretaria de Educação Básica (SEB) do MEC, Helena de Freitas, e a diretora do Sindicato dos Professores do Rio Grande do Sul (Sinprors), Cecília Maria Martins Farias. Elas apresentaram um panorama geral sobre as necessidades de formação dos professores e concluíram que os problemas enfrentados pelo ensino a distância são semelhantes aos do presencial.

Bielschowsky disse que a educação a distância facilita o acesso à qualificação profissional para os professores, permitindo que eles se graduem sem abandonar a sala de aula. Ele lembrou que três instituições já foram descredenciadas para a oferta da modalidade por não ofereceram a devida qualidade aos estudantes.
(Fonte: Portal MEC)


Destaques aprovados por consenso

Durante a realização das Plenárias de eixo da CONAE, muitas propostas prioritárias para os trabalhadores em estabelecimentos de ensino, bem como bandeiras históricas do movimento educacional brasileiro, foram aprovadas.

No Eixo I (O Papel do Estado na Garantia do Direito à Educação de Qualidade: organização e Regulação da Educação Nacional), a CONTEE, em unidade com diversas entidades nacionais progressistas de educação, garantiu a conceituação de educação como uma concessão do Estado. Aprovou ainda a diretriz que indica que o Sistema Nacional de Educação deve acompanhar, regular e avaliar os setores públicos e privados de educação, bem como ratificou a necessidade da gestão democrática em todas as instituições de ensino do País – tema que também foi contemplado nas plenárias do Eixo II (Qualidade da Educação, Gestão Democrática e Avaliação), além da questão da autonomia e controle social e avaliação da educação.

A responsabilidade do Estado em relação à expansão e oferta de vagas no Ensino Superior público foi uma dos destaques da Plenária do Eixo III (Democratização do Acesso, Permanência e Sucesso Escolar), estando a CONTEE à frente da emenda que defendeu a ampliação desse processo a fim de estancar a ampliação desordenada do setor privado de má qualidade e péssimas condições de trabalho para os seus profissionais, além do pouco comprometimento dessas instituições com pesquisa e extensão.

No Eixo IV (Formação e Valorização dos Profissionais de Educação), a importância da formação de qualidade para os professores foi um dos destaques. Itens como a dedicação exclusiva e formação inicial presencial foram aprovados. Já no Eixo V (Financiamento da Educação e Controle Social), a CONTEE apoiou emenda que vincula 50% dos créditos advindos da exploração da camada Pré-Sal para a educação – entre outras propostas que tratavam da regulação do setor privado e do investimento da educação pública.
(fonte: www.contee.org.br)