Páginas

26 de janeiro de 2010

Escola dá exemplo e influencia política pública

Abaixo um bom exemplo na Educação divulgado pelo Movimento Todos Pela Educação.

Articulação entre escola, comunidade, sociedade civil e governo cria programa de aproveitamento das salas de aula ociosas para oferecer cursos profissionalizantes


Programa desenvolvido pela Escola Estadual Carlos Maximiliano Pereira do Santos em parceria com a Associação Cidade Escola Aprendiz, a comunidade e o Centro Paula Souza influencia a criação de política pública educacional no estado de São Paulo. O êxito da utilização de salas de aula ociosas para ofertar cursos profissionalizantes serviu de exemplo para a ampliação do projeto a 84 outras escolas de 45 municípios. A expansão do programa foi divulgada essa semana pelo governador José Serra e deve atender mais de 9 mil alunos até 2010.

A escola Max, como é conhecida, trabalha em tempo integral e fica no bairro da Vila Madalena, zona oeste da cidade de São Paulo. Atualmente reconhecida por seu forte envolvimento com a comunidade, a escola quase fechou as portas em 2007 devido à falta de atratividade das aulas, que estava resultando no baixo número de matrículas e, por conseqüência, na redução do quadro de funcionários e na queda dos indicadores da qualidade do ensino.

Para reverter a situação, alunos, pais, comunidade e professores buscaram o apoio da Associação Cidade Escola Aprendiz e juntos conseguiram realizar diversas parcerias. A escola passou a oferecer oficinas culturais e de comunicação aos estudantes, além de abrir o espaço escolar para a comunidade do bairro. Segundo a diretora da Associação Escola Cidade Aprendiz, Natacha Costa, “a relação entre escola e comunidade foi fundamental tanto no processo educacional, quanto na qualidade de vida da comunidade”.

Para aproveitar as salas de aulas do período noturno e vespertino, a escola Max e a Associação Cidade Escola Aprendiz firmaram uma parceria com o Centro Paula Souza. Hoje são oferecidas 388 vagas para os cursos técnicos de Administração e Webdesign. Natacha explica que os alunos que têm interesse pelos cursos precisam passar pelo vestibulinho do Centro Paula Souza. “Mas os alunos do Max recebem uma preparação específica para participar desse processo seletivo”, afirma. Na primeira turma do curso de Administração a relação candidato/vaga chegou a 17 para 1.

A diretora sempre acreditou que, apesar do programa ser uma ação “micro-comunitária”, e pode ser facilmente replicado. Está nos planos da secretaria replicá-la em 74 escolas da rede estadual de ensino em 45 municípios e 10 CEUs - Centros Educacionais Unificados da capital paulista.

Os cursos técnicos serão oferecidos no período noturno e serão ministrados por professores das Escolas Técnicas (Etecs) estaduais. Cada escola estadual terá até três turmas por semestre e oferecerá até três cursos técnicos. Ao todo, serão 12 habilitações, com duração de três semestres: Administração, Logística, Contabilidade, Secretariado, Marketing, Comércio, Jurídico, Seguros, Serviços Imobiliários, Informática, Informática para Internet e Redes de Computadores. As turmas terão 40 alunos e outros cursos estão em estudo para serem incluídos em 2010.

Mais informações:
Saiba mais sobre a escola Max no site da Associação Cidade Escola Aprendiz

Nenhum comentário: